Budismo é a tradição formada a partir das práticas ensinadas por Sidarta Gautama 563 ou 623 a.C. em Lumbini, Nepal, na época Índia, conhecido como Buda Shakyamuni "sábio dos Shakyas", é a figura-chave do budismo há pelo menos 2.500 anos.

De acordo com a Tradição Hindu, Buda é um Avatar de Vishnu (Deus Supremo), baseados nas escrituras Upanishads, Vishnu e Bhagavad Purana. A palavra Buda vem de Bodh, que significa despertar.

Ao despertar, se iluminar Buda pensa que isso não poderia ser compartilhado, porém Brahma teria solicitado que ele ensinasse o que havia conquistado, porque alguns seres poderiam reconhecer o que ele reconheceu.

Os ensinamentos atribuídos a Gautama foram repassados através da tradição oral, ensina as Quatro Nobres Verdades e o Nobre Caminho Óctuplo. A prática central de quase todas as linhas budistas é a meditação, método e resultado para uma familiarização e entendimento sobre a própria mente, práticas para controle do ego, e o despertar para iluminação. Buda dizia que seu ensinamento ia contra o sistema, ao contrariar os infinitos desejos egoístas do homem, "Atingi esta Verdade que é profunda, difícil de ver, difícil de compreender, compreensível somente aos sábios, os homens submetidos pelas paixões e cegos pela obscuridade não podem ver essa Verdade, que vai contra o sistema, porque é sublime, profunda, sútil e difícil de compreender". A filosofia sobre o caminho e os resultados variam conforme a escola.

A transmissão do Dharma do Buddha no Tibet ocorreu em dois períodos principais. Houve a primeira difusão do Dharma, por volta de 600 d.C, que foi imensamente potencializada, pelo Guru Rinpoche Padmasambhava. Essa primeira propagação do Dharma no Tibet, das traduções das escrituras em sânscrito para a língua tibetana, e ensinamentos e transmissões dadas por Guru Rinpoche, veio a formar a “Antiga Tradição” (tib. nyingma), Escola Nyingma.

Outros Mestres da Índia como o Pandita Atisha e o tibetano Tsongkapha vieram posteriormente ensinar no Tibet e formaram os pilares da segunda propagação do Dharma no Tibet, e que deu origem a “Nova Tradição” (tib. sar ma) através das Escolas Gelug. As escolas do budismo tibetano, baseadas nas transmissões das escrituras indianas para o platô tibetano, são achadas tradicionalmente no Tibet, Butão, norte da Índia, Nepal, Mongólia.

A maioria dos praticantes nesses países podem ser classificados como vajrayanas, que é um conjunto de escolas budistas esotéricas. A Tradição Vajrayana, é a fonte conhecida para se praticar o budismo original indiano, que foi praticamente erradicado de onde se originou, utiliza meios hábeis como o caminho acelerado possibilitando a iluminação. O nome vem do sânscrito e significa "veículo de diamante", possuem como modelo principal a figura do Lama. O objetivo da prática é se tornar um Bodhisattva.

Se você está numa praia e enche a mão de areia.
Esse tanto de areia em relação à areia da praia é a proporção de felizardos que têm contato direto com os ensinamentos budistas.
Se você abre a mão e deixa cair a areia, os grãos que sobram são os que estão envolvidos com a escola Mahayana.
Depois de bater as mãos para tirar a areia que resta, não sobra quase nada.
Esses últimos grãos, que quase não se vê, são os estudantes do budismo Vajrayana, raros e preciosos.

Ser budista.

Tenha confiança em seu próprio potencial espiritual, em sua habilidade de encontrar seu próprio caminho único.

Aprenda com outros resolutamente e use o que julgar útil, mas também aprenda a confiar em sua própria sabedoria interior.

Tenha coragem. Esteja desperto e consciente.

Lembre-se que o budismo não é sobre ser budista, ou seja, obter uma nova etiqueta de identidade.

Nem é sobre colecionar conhecimentos cerebrais, práticas e técnicas.

De maneira última, é sobre abandonar todas as formas e conceitos, se tornar livre e despertar.

---------------------------------------------------------------

Gnose, tem por origem etimológica o termo grego "gnosis", que significa "conhecimento". Mas não um conhecimento racional, científico, filosófico, teórico e empírico (a "episteme" dos gregos), mas de caráter intuitivo e transcendental.


A palavra "Gnosis" geralmente é traduzida por "conhecimento", mas a Gnose não é, primordialmente, um conhecimento racional; a língua grega distingue entre o conhecimento científico (ele conhece matemática) e, reflexivo (ele se conhece), experiência que é Gnose, percepção direta daquilo que é, percepção interior, um processo intuitivo de conhecer-se a si mesmo.

A Sabedoria ultrapassa o intelecto, através da intuição, contempla. A Sabedoria faz com que a Verdade seja inteligível. O intelecto usa a razão e o conhecimento discursivo.

Gnose é usada para designar um conhecimento profundo e superior do mundo e do homem, que dá sentido à vida humana, que a torna plena de significado porque permite o encontro do homem com sua Essência Eterna, maravilhosa, pela via do coração.


Gnose é uma realidade vivente sempre ativa, que apenas é compreendida quando experimentada e vivenciada. Assim sendo jamais pode ser assimilada de forma abstrata, intelectual e discursiva.

Nós Gnósticos usamos de explicações metafísicas e 'mitologicas' para falar da criação do universo e dos planos espirituais, mas nunca deixamos de relacionar esse mundo externo e mitologico a processos internos que ocorrem no homem. Hoje a palavra mito, significa alguma coisa inveridica, irreal ou ficticia. Entretanto ela deriva do vocábulo grego mythos, que em seu uso original significa uma explicação da realidade que lhe confere significado.

GNOSTICISMO: Movimento que provavelmente se originou-se na Ásia Menor. Tem como base elementos das filosofias pagãs que floresciam na Babilônia, Índia, Antigo Egito, Síria e Grécia Antiga, combinando elementos do Helenismo, Zoroastrismo, do Hermetismo, do Hinduísmo, do Budismo Tibetano, do Sufismo, do Judaísmo e do Cristianismo primitivo. Possuíam uma linguagem técnica característica e ênfase na busca da sintonia interior com essa Gnosis, essa Sabedoria Divina, sem intermediários, um conhecimento do Divino por experiência própria.

Enquanto existir uma luz na individualidade mais recôndita da natureza humana, enquanto existirem homens e mulheres que se sintam semelhantes a essa luz, sempre haverá Gnósticos no mundo


"Não escrevo para aqueles que estão imbuídos de preconceitos, que compreendem e sabem tudo, mas que no entanto não Sabem nada, pois eles já estão satisfeitos e ricos, mas sim para os simples como eu, e assim me alegro com meus semelhantes."

Jacob Boehme




quarta-feira, 3 de abril de 2013

Gnosticismo

O gnosticismo é o ensino baseado na Gnosis, o conhecimento da transcendência que chega por meio do interior, meio intuitivo. Embora o gnosticismo, portanto, repouse sobre a experiência religiosa pessoal, é um erro assumir todos os resultados de tais experiências em reconhecimentos gnósticas. Está mais próximo da verdade dizer que o gnosticismo expressa uma experiência religiosa específica, uma experiência que não se presta à linguagem da teologia ou filosofia, mas que se expressa-se através do mito. Com efeito, verifica-se que as escrituras gnósticas mais tomam a forma de mitos. O termo "mito" não deve aqui ser entendida como "histórias que não são verdadeiras", mas sim, que as verdades incorporadas a esses mitos são de uma ordem diferente dos dogmas da teologia ou as declarações de filosofia. Hoje a palavra mito, significa alguma coisa inveridica, irreal ou ficticia. Entretanto ela deriva do vocábulo grego mythos, que em seu uso original significa uma explicação da realidade que lhe confere significado

Gnosticismo: Movimento que originou-se na Ásia Menor, difundindo-se da região do Irã à Gália, exercendo a sua maior influência sobre o cristianismo. Tem como base elementos das filosofias pagãs que floresciam na Babilônia, Antigo Egito, Síria e Grécia Antiga, combinando elementos do Helenismo, Zoroastrismo, do Hermetismo, do Sufismo, do Judaísmo e do Cristianismo
O Cosmos
Todas as tradições religiosas reconhecem que o mundo é imperfeito. Onde eles diferem é nas explicações que eles oferecem para explicar essa imperfeição e no que eles sugerem pode ser feito sobre isso. Gnósticos têm os suas próprias, talvez bastante surpreendente. Atendendo a estas questões: eles sustentam que o mundo é imperfeito porque foi criado de forma errada.

Como o budismo,o gnosticismo começa com o reconhecimento fundamental de que a vida terrena é cheia de sofrimento. A fim de nutrir-se de todas as formas de vida, e consumir uns aos outros, assim visitando dor, medo e morte sobre os outros (mesmo os animais herbívoros vivem destruindo a vida das plantas). Além disso, os chamados catástrofes naturais - terremotos, inundações, incêndios, secas, erupções vulcânicas - trazem mais sofrimento e morte em seu rastro. Os seres humanos, com sua complexa fisiologia e psicologia, estão conscientes, não só destas características dolorosas da existência terrena. Eles também sofrem com o reconhecimento frequente que são estranhos vivendo em um mundo que é falho e absurdo.

Muitas religiões defendem que os seres humanos devem ser responsabilizados pelas imperfeições do mundo. Apoiando essa visão, eles interpretam o mito de Gênesis como declarando que as transgressões cometidas pelo primeiro par humano provocou uma "queda" da criação, resultando em corromper o estado atual do mundo. Gnósticos responderão que esta interpretação do mito é falso.

Deus é Todo Poderoso

Deus é todo o Bem

Coisas Terríveis acontecem

Pode-se concordar com uma ou duas destas afirmações, mas não com as três.

Se ele é o todo poderoso, mas permite que coisas terríveis aconteçam, ele não é totalmente bom, por outro lado se não tem poder de impedir que coisas terríveis aconteçam, ele não é todo poderoso.

Se o conceito de Deus monoteísta é aceito, então o mal não tem explicações. Se o mal existe, então o deus apresentado pelas principais religiões do mundo não pode existir.

A culpa por falhas do mundo não está com os seres humanos, mas com o criador. Uma vez que, especialmente nas religiões monoteístas, o criador é Deus, esta posição gnóstica aparece blasfemia, e é frequentemente visto com espanto até mesmo por não-crentes.

Os antigos gregos, especialmente os platônicos, aconselharam as pessoas a olhar para a harmonia do universo, de modo que, venerando a sua grandeza, poderiam esquecer suas aflições imediatas.

Mas essa harmonia ainda contém as falhas crueis, do desamparo e alienação da existência, este conselho é considerada de pouco valor por gnósticos. Tampouco é a idéia oriental de Karma é considerada por gnósticos como uma explicação adequada da criação da imperfeição e sofrimento. Karma no melhor dos casos só pode explicar como funciona a cadeia de sofrimento e das obras da imperfeição, não explica porque um sistema tão doloroso deve existir.

Depois do choque inicial do incomum "ou" blasfêmia " a natureza da explicação gnóstica do sofrimento e da imperfeição do mundo desaparece, pode-se começar a reconhecer que é na verdade a mais sensível de todas as explicações.

Para apreciá-lo plenamente, no entanto, uma familiaridade com a concepção gnóstica da Divindade é necessária, tanto em sua essência original, o verdadeiro Deus e na sua manifestação degradada como o Deus criador ou falso. "Eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a mim." Isaías 46:9

Divindade
O gnóstico conceito de Deus é mais sutil do que a maioria das religiões.Em seu caminho, une e reconcilia o reconhecimento do monoteísmo e politeísmo, assim como do teísmo, deísmo e panteísmo.

Na visão gnóstica, há uma verdade, Deus transcendente, e que está além de toda a criação e desenvolvimento de universos, que nunca criou nada de definitivo, no sentido em que a palavra "criar" é normalmente entendido.

Embora este Verdadeiro Deus Inefável não moda ou cria qualquer coisa, ele (ou ela) "emana" ou traz de dentro de si a substância de tudo o que existe em todos os mundos, visíveis e invisíveis. Em certo sentido, pode ser verdade dizer que tudo é Deus, pois tudo consiste na substância de Deus.

Da mesma forma, deve também ser reconhecido que muitas partes da essência divina original foram projetados tão longe de sua fonte que passaram por mudanças prejudiciais no processo. O mito gnóstico de base tem muitas variações, mas todas estas se referem a Aeons, intermediário, seres que existem entre o último, e verdadeiro Deus Inefável e nós mesmos.

Eles, juntamente com o Verdadeiro Deus, compreendem o reino da Plenitude (Pleroma) onde a potência da divindade opera plenamente. A plenitude está em contraste com o nosso estado existencial, que, em comparação pode ser chamado de vazio.

Um dos seres aeonial que leva o nome de Sophia ("Sabedoria") é de grande importância para a visão de mundo gnóstica. No curso de sua jornadas, Sophia veio a emanar de seu próprio ser uma consciência falha, um ser que se tornou o criador do cosmos material e psíquico, que ele criou a imagem de sua própria falha. "E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança." Gênesis 1:26

Assim sendo, sem saber de suas origens, imaginou-se ser o último e absoluto de Deus. Desde que assumiu a essência divina já existente e molda-lo em diversas formas, ele também é chamado de demiurgo, componente dentro da criação, mas não é reconhecido por Sophia, somente por seus asseclas cósmicos, Arcontes ou "governantes".



O Ser Humano

Espelha a dualidade da natureza humana encontrada em todo o mundo: em parte, foi feito pelo criador o falso deus e, em parte, consiste na luz do Deus Verdadeiro,o Inefável.


A humanidade contém uma componente física e psíquica perecíveis, bem como uma componente espiritual, que é um fragmento da essência divina. Esta última parte é muitas vezes referido como simbolicamente o divino "centelha". O reconhecimento da natureza dual do mundo e do ser humano ganhou na tradição gnóstica o epíteto de "dualista".

Os seres humanos são, em geral ignorante da centelha divina residente dentro deles. Esta ignorância é fomentada na natureza humana pela influência do criador e de seus falsos Arcontes, que juntos estão decididos a manter homens e mulheres ignorantes da sua verdadeira natureza e destino.

Algo que nos faz permanecer ligados às coisas terrenas, serve para nos manter escravizados por estes governantes cósmicos inferiores.

A morte libera a centelha divina de sua prisão humilde mas, se não houve um trabalho substancial de Gnose realizadas pela alma antes da morte, torna-se provável que a centelha divina será arremessada de volta, e então re-incorporado no interior, a dores e da escravidão do mundo físico.

Nem todos os seres humanos são espirituais (Pneumáticos, espirituais) e, portanto, pronto para a gnose e libertação. Alguns são seres terrestres e materialistas (Hiléticos, materiais), que reconhecem apenas a realidade física. Outros vivem em grande parte em sua psique (Psiquicos, religiosos). Essas pessoas costumam confundir o Demiurgo com o verdadeiro Deus e têm pouca ou nenhuma consciência do mundo espiritual, além da matéria e da mente.

No decorrer da história, o progresso humano da escravidão materialista sensualista, por meio da religiosidade ética, a liberdade espiritual e Gnose libertadora. Como o estudioso G. Quispel escreveu: "O mundo espiritual no exílio deve ir até o Inferno da matéria e do Purgatório da moral para chegar ao paraíso espiritual." Esse tipo de evolução da consciência foi idealizado pelos gnósticos, muito antes do conceito de evolução ser conhecido.

Salvação
Forças evolutivas sozinhas não são suficientes, no entanto, para trazer a liberdade espiritual. Os seres humanos são pegos em um dilema constituído pela existência física, combinada com a ignorância de suas verdadeiras origens, a sua natureza essencial e seu destino final.

Para ser liberado desta situação, os seres humanos necessitam de ajuda, embora eles também devem contribuir com seus próprios esforços.

Desde os primeiros tempos Mensageiros da Luz que saem do Verdadeiro Deus, a fim de ajudar os seres humanos em sua busca pela Gnosis. Apenas alguns destes são mencionados nas escrituras gnósticas, alguns dos mais importantes são Seth (o terceiro filho de Adão), Jesus, Mani o Profeta.

A maioria dos gnósticos sempre olharam para o Mestre Jesus, o Cristo como a figura principal, o Salvador (o Soter).

Gnósticos não olham para a salvação do pecado (original ou outro), mas sim da ignorância.

A ignorância das realidades espirituais é dissipada apenas por Gnosis, a revelação decisiva da Gnosis é trazida pelos Mensageiros da Luz, especialmente por Cristo, o Logos do Verdadeiro Deus Inefável.

Não é por Seu sofrimento e morte, mas pela sua vida de ensino e de Sua criação dos mistérios que Cristo realizou sua obra de salvação.

O conceito gnóstico da salvação, como outros conceitos gnósticos, é sutil. Por um lado, a salvação gnóstica pode ser facilmente confundida com uma experiência individual imediata, uma espécie de projeção espiritual individual.

Gnósticos defendem que o potencial para a Gnose, e, portanto, a salvação está presente em cada homem e mulher, e que a salvação não é coletiva, mas individual. Ao mesmo tempo, eles também reconhecem que a Gnose e a salvação pode ser, na verdade devem ser estimuladas e facilitadas para que efetivamente surjam na consciência. Esse estímulo é fornecido pelos Mensageiros da Luz.

É preciso também lembrar que o conhecimento de nossa verdadeira natureza, bem como outras realizações associadas são retiradas de nós por nossa própria condição de existência terrena.

O Verdadeiro Deus da transcendência, Inefável é desconhecido neste mundo, na verdade ele é freqüentemente chamado de pai desconhecido. É pois evidente que a revelação do Alto é necessária para trazer a salvação. A habitação da centelha deve ser despertada do seu sono terrestre pelo conhecimento da salvação que vem "de fora".

Conduta
Se as palavras "ética" ou "moralidade" são entendidas como um sistema de regras, então o gnosticismo se opõe a ambos.Estes sistemas normalmente se originam com o Demiurgo e são secretamente destinados a servir a seus propósitos. Se, por outro lado, a moralidade é composta de uma integridade interna decorrente da iluminação da centelha, em seguida, o gnóstico vai abraçar esta espiritualmente, tendo a ética existencial como ideal.

Para os gnósticos, mandamentos e regras, não são substancialmente propícios para a salvação.

Regras de conduta pode servir para fins diversos, incluindo a estruturação de uma sociedade pacífica e ordenada, e para a manutenção de relações harmoniosas no seio dos grupos sociais.

Regras, no entanto, não são relevantes para a salvação, que é provocada apenas pela Gnosis.

A moralidade, portanto, precisa ser vista principalmente em termos temporais e seculares, que está sempre sujeita a alterações e modificações de acordo com o desenvolvimento espiritual do indivíduo.

Como se observa na discussão acima, os "materialistas hiléticos" geralmente têm pouco interesse na moralidade, enquanto "disciplinadores psíquicos".

Em contraste, " Os espirituais ou pneumáticos" são pessoas geralmente mais preocupadas com outros assuntos mais elevados.

Diferentes períodos históricos também exigem atitudes variadas em relação à conduta humana.

Assim, ambos os movimentos gnóstico e maniqueísta cátaro, que funcionou em tempos onde a pureza de conduta foi considerada como uma questão de importação elevados, respondeu na mesma moeda.

O atual período da cultura ocidental, talvez se assemelhe em mais maneiras do que o do segundo e terceiro século de Alexandria.

Parece, portanto, conveniente que os gnósticos de nossa era, adotarem as atitudes do gnosticismo alexandrino clássico, onde as questões de conduta foram em grande parte para a percepção do indivíduo.

Gnosticismo abrange inúmeras atitudes gerais em relação à vida: ele estimula o não-apego e de não-conformidade para o mundo, um "ser no mundo, mas não do mundo", a falta de egoísmo, respeito para a liberdade e a dignidade dos outros seres. No entanto, prende-se à intuição e sabedoria de cada indivíduo "gnóstico" para destilar a partir desses princípios e diretrizes específicas para sua aplicação pessoal.

Destino
Quando Confúcio foi questionado sobre a morte, ele respondeu: "Por que você me pergunte sobre a morte quando você não sabe como viver?" Essa resposta poderia facilmente ter sido dada por um gnóstico. A uma pergunta similar colocado no Evangelho Gnóstico de Tomé, Jesus respondeu que os seres humanos devem vir por Gnosis para conhecer o divino, a realidade inefável de onde se originaram e para onde eles vão voltar. Este conhecimento transcendental deve chegar a eles, enquanto eles ainda estão encarnados na Terra.

A morte não liberta automaticamente da escravidão nos domínios do Demiurgo.

Aqueles que não tiverem atingido a Gnose libertadora enquanto estavam encarnados podem ficar presos na existência, mais uma vez. É bastante provável que isso pode ocorrer por meio do ciclo de renascimentos.

O gnosticismo não enfatiza a doutrina da reencarnação visível, mas é implicitamente entendida em mais ensinamentos gnósticos que aqueles que não fizeram contato eficaz com as suas origens transcendentais, enquanto eles estavam em encarnação terão que voltar para a triste condição da vida terrena.

No que diz respeito à salvação, ou o destino do espírito e da alma após a morte, a pessoa precisa ter consciência de que a ajuda está disponível. Valentino, o maior dos mestres gnósticos, ensina que Cristo e Sophia aguardam o homem espiritual, o gnóstico pneumático, na entrada do Pleroma, e irão ajudá-lo a entrar na câmara nupcial da união final.

Na plenitude dos tempos, cada ser espiritual receberá Gnosis e será unida com o seu Eu Superior, tornando-se qualificado para entrar no Pleroma. Nada disso é possível, entretanto, sem esforço sério para Gnosis.

Gnosis e Psique: o psicológico da conexão da profundidade
Ao longo do século XX, a nova disciplina científica da psicologia profunda, ganhou grande destaque.Entre os psicólogos de profundidade que têm demonstrado um interesse acentuado e informado no gnosticismo, um lugar de destaque pertence à CG Jung.

Jung foi fundamental em chamar a atenção para a biblioteca de Nag Hammadi, dos escritos Gnósticos em 1950, porque ele percebeu a importância psicológica pendentes nas idéias gnósticas.

O estudioso notável de gnosticismo, Filoramo G., escreveu: "a reflexão, Jung tinha sido há muito tempo imerso no pensamento dos antigos gnósticos, de tal forma que ele os considerava os descobridores virtuais da" psicologia profunda "... "

À luz de tais reconhecimentos alguém pode perguntar: "O gnosticismo uma religião ou uma psicologia?" A maioria mitologemas encontrados nas escrituras gnósticas possuem relevância psicológica e aplicabilidade.

Por exemplo, o cego e arrogante demiurgo criador, tem uma estreita semelhança com o ego humano alienado que perdeu contato com o Self.

Além disso, o mito de Sophia de perto se assemelha a história da psique humana, que perde sua conexão com o inconsciente coletivo e precisa ser resgatada pelo Self. Analogias desse tipo existem em grande profusão.

Muitos ensinamentos esotéricos, herméticos tem proclamado: "Como é em cima, assim é embaixo."

Nossa natureza psicológica (o microcosmo) reflete a natureza metafísica (o macrocosmo), o gnosticismo pode possuir tanto uma autenticidade psicológica como religiosa.

Gnóstico, psicologia e religião gnóstica não precisa ser exclusiva de um ou de outro, mas podem complementar um ao outro dentro de uma ordem implícita da totalidade.

Gnósticos sempre declararam que a divindade é imanente ao espírito humano, embora não esteja limitado a isso. A convergência de ensino gnóstico com insight psicológico é, portanto, perfeitamente compreensível em termos de princípios gnósticos.

A gnose é, sem dúvida, uma experiência baseada não em conceitos e preceitos, mas na sensibilidade do coração. Gnosticismo, por outro lado, é a visão de mundo baseada na experiência de Gnose. Por esta razão, em outros idiomas além do Inglês, a Gnose palavra é usada frequentemente para denotar tanto a experiência e a visão de mundo.

Em certo sentido, não há Gnosis sem Gnosticismo, a experiência de Gnose inevitavelmente evoca uma visão de mundo em que ele encontra o seu lugar. A visão de mundo gnóstica é experimental, é baseado em um certo tipo de experiência espiritual da Gnosis. Portanto, ele não vai fazer a omitir ou diluir, várias partes da visão de mundo gnóstica, pois foram um para fazer isso, a visão de mundo já não estar em conformidade com a experiência.

Se isso for verdade, então também é verdade que a maioria das religiões estão sendo estrangulado e sufocado pelos seus envolvimentos. O gnosticismo não pode correr esse risco, porque sua visão de mundo é afirmado mais no mito do que na teologia.

Mitos, incluindo os mitos gnósticos, pode ser interpretada de diversas maneiras. Transcendência, numinosidade, bem como arquétipos psicológicos, juntamente com outros elementos, desempenham um papel na interpretação. Ainda assim, as declarações míticas falam de verdades profundas, que não será negada.

Gnosticismo pode trazer-nos essas verdades com uma alta autoridade, pois fala com a voz da melhor parte do ser humano - o espírito. Deste espírito, foi dito ", que sopra onde quer." Esta então é a razão pela qual a visão de mundo gnóstica não poderia ser extirpado apesar de muitos séculos de perseguição.

A visão de mundo gnóstica sempre foi oportuna, pois sempre respondeu melhor ao conhecimento "do coração", que é a Gnose verdadeira. Ainda hoje, a sua atualidade está aumentando, o final do segundo milénio, viu uma deterioração radical de muitas ideologias, que evitou grandes perguntas e respostas dirigidas pelo gnosticismo.

A clareza, franqueza e autenticidade das respostas gnósticas para as questões da condição humana não pode deixar de impressionar e (em tempo) para convencer.

Se suas reações a este artigo ter sido de uma forma positiva de forma semelhante, então talvez você é um gnóstico, pois enquanto existir uma luz na individualidade mais recôndita da natureza humana, enquanto existirem homens e mulheres que se sintam semelhantes a essa luz, sempre haverá Gnósticos no mundo.

Um comentário:

Enilton Fernando Santos de Souza disse...

sim eu me identifiquei e venho buscado a Gnose das gnoses ou melhor a Gnose do Universo!
tenho experimentado algumas coisas sobrenaturais e com o Todo! mas preciso conhecer mais acredito que estou mergulhado nos Misterios do Mundo Invisivel! mas eu acho que preciso de ajuda nessa caminhada de pessoas para poder compartilhar as experiencia!!!
Gostaria que alguns de voces enntrassem em contato comigo!!! preciso conhecer algum mestre!!

Desde ja sou grato!